Influenciadoras ministram palestra gratuita sobre gordofobia e autoestima

Três dos maiores nomes da militância body positive no Norte/Nordeste se reúnem em Salvador nesta sexta-feira (16 de agosto de 2019). A produtora cultural Carla Galrão, a consultora de moda e imagem Kika Maia e a jornalista Naiana Ribeiro irão ministrar uma palestra gratuita sobre gordofobia, autoestima e feminismo durante a programação do evento Comunidade do Conhecimento, promovido pela Rede FTC, no Shopping Paralela.

No bate-papo, as influenciadoras vão mostrar que a gordofobia pode fazer com que muitas pessoas adotem estratégias desumanas para chegar ao padrão considerado ideal. “Vamos destrinchar esse preconceito, mostrando suas causas e consequências. Vamos falar sobre empoderamento e autoestima, que é um processo diário, e sobre o crescimento do movimento body positive pelo mundo. Apesar da aceitação ser um processo interno, a inspiração vem do ambiente externo“, antecipa Carla.

Continue lendo “Influenciadoras ministram palestra gratuita sobre gordofobia e autoestima”

Alexandra Gurgel questiona padrões e defende a aceitação em seu primeiro livro

Muito provavelmente você está ou já esteve, alguma vez na vida, insatisfeito com o seu corpo. Se você é mulher, a pressão estética para alcançar um determinado padrão é maior: segundo pesquisa do Royal Society for Public Health, do Reino Unido, 90% das meninas de 14 a 24 anos se sentem infelizes com seus corpos e pensam em mudar a própria aparência, cogitando, inclusive, procedimentos cirúrgicos. Os efeitos da sociedade patriarcal e machista na qual vivemos são ainda mais cruéis com as pessoas gordas, que enfrentam diariamente o preconceito (gordofobia) e tentam se encaixar em um padrão de beleza inalcançável.

Até a atriz Bruna Marquezine – que serve de inspiração para muita gente como modelo de beleza – revelou na última semana que passou a vida sendo vítima de humilhação corporal (body shaming) e já sofreu com distúrbio de imagem e depressão. Essas são apenas algumas das consequências perigosas da não aceitação, que incluem também bullying, isolamento, insegurança, sedentarismo, compulsão alimentar, bulimia, baixa autoestima, síndrome do pânico, ansiedade generalizada, negligência médica, automutilação, tentativa de suicídio, entre outras.

Continue lendo “Alexandra Gurgel questiona padrões e defende a aceitação em seu primeiro livro”