Fluvia Lacerda desabafa sobre dificuldade de encontrar looks de gala plus size: ‘Engoli o choro’

A modelo plus size Fluvia Lacerda, 38 anos, dividiu com seus seguidores do Instagram a dificuldade que tem para encontrar roupas do seu tamanho para usar em eventos de gala.

“Vou começar a segunda com um desabafo. Ser mulher gorda e ter que ir para um evento de gala, que tem que se vestir maravilhosamente bem, é foda, independente de ser no Brasil, Estados Unidos ou Europa. Achar roupa legal à altura é muito difícil”, disse ela.

A modelo foi convidada para participar de um evento de gala e contou que teve tanta dificuldade para encontrar uma roupa durante toda a semana passada, que chegou até a chorar de frustração.

“Fiquei super feliz pela oportunidade dada. Mas ao passo que vivi este êxtase, vivi o contrário, a frustração de não conseguir encontrar uma roupa a altura de um evento como esse que uma mulher veste o manequim pequeno tem. Passei uma semana punk. Engoli o choro a seco muitas vezes”, disse ela, que agora encontrou uma stylist para lhe ajudar a achar o vestido.

“Eu consigo ver como as pessoas que não vivem debaixo da pele de ser uma mulher gorda não entendem que é foda e muito difícil. Quando muitas vezes vocês me mandam depoimento falando que têm casamento, eventos para ir e não acham roupas e choram, sofrem, eu entendo. Passo por essas merdas também. É muito difícil. Para quem não passa por esses perrengues parece uma coisa boba. A gente que passa sabe como é.”

Essa não é a primeira vez que Fluvia toca no assunto. Em abril, a modelo teve que confeccionar o próprio vestido para ir a um evento de gala por conta da falta de opções no mercado.

Uma das principais modelos plus-size do mundo, a top já chegou a afirmar que até hoje, com mais de 15 anos de carreira, costuma ser desacreditada e desrespeitada por fotógrafos por causa de seu corpo. “Fotógrafos me subestimam por ser gorda”, afirmou ela, que defende o uso do adjetivo gorda, ao invés de diminutivos como “gordinha” ou “fofinha”.

‘Sou gorda e quem tá pegando não tá reclamando’, diz Maiara

A cantora Maiara, da dupla com Maraisa, usou o seu Twitter para postar um vídeo em que aparece comendo pão com mortadela e brincando que estaria começando uma dieta, mas um fã (bem inconveniente, pra falar a verdade) falou que ela estava gorda. A sertaneja não deixou barato.

“Olha, gente, mortadela no pão integral, viu? Comecei a dieta. Eu mesma faço a minha dieta”, disse no vídeo, enquanto a sua funcionária diz ao lado: “É a minha gordinha mais gostosa do Brasil”.

Após a publicação do vídeo, Maiara recebeu um comentário de um internauta dizendo que ela é gorda e, sem seguida, a sertaneja publicou:  “Queria dizer q sou gorda mesmo…”, afirmou: “E quem ta pegando não tá reclamando…”, completou ela.

No final do ano passado, a artista revelou que emagreceu 13 kg em um mês após uma cirurgia bariátrica. A cantora já chegou a usar um balão gástrico no passado, mas afirmou que ganhou 20 kg em dois anos, aumento considerado ‘perigoso’ pelos seus médicos.

A correria e o corpo de Maiara & Maraisa já foram tema de conversa no Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo. A dupla falou que não mantinha hábitos saudáveis e que o aumento de peso delas era recorrente da falta de rotina e exercícios. Só faltou dizer que existe muita gorda saudável por aí, né? 😉

Projeto fotográfico que mostra a beleza de mulheres gordas chega a Salvador

Muito provavelmente você está ou já esteve, alguma vez na vida, insatisfeito com o seu corpo. Não é que, do nada, você simplesmente deixasse de se amar. Mas, quando você é mulher, a pressão estética para alcançar um determinado padrão é grade. Esses efeitos da sociedade patriarcal e machista na qual vivemos são ainda mais cruéis com as pessoas gordas, que enfrentam diariamente o preconceito (gordofobia) e tentam se encaixar em um padrão de beleza inalcançável.

As coisas pioram quando você busca referências na televisão, nas revistas e nas indústrias de moda e cosméticos e encontra pouquíssimas ou nenhuma. E foi justamente essa busca por representatividade que fez a fotógrafa Milena Paulina, 24 anos, criar um projeto fotográfico que colocasse mulheres gordas em evidência. Após fazer cliques de mais de 100 pessoas, o ‘Eu, Gorda’ chega a capital baiana nesta sexta-feira (2).

Continue lendo “Projeto fotográfico que mostra a beleza de mulheres gordas chega a Salvador”

‘Estou cagando e andando para o conservadorismo’, diz Pabllo Vittar

Após lançar seu primeiro disco, Vai Passar Mal, a drag queen Pabllo Vittar não só virou assunto em todo o país com agudos empoderados, como alcançou o topo das paradas globais com vários hits e fechou o ano de 2017 com cerca de 130 shows por todos os cantos do Brasil. Nascido em São Luís do Maranhão, o homem gay Phabullo Rodrigues da Silva, 23 anos, está colhendo os frutos da sua ascensão meteórica ao sucesso e, nocauteando o preconceito, consolida sua personagem artística – Pabllo Vittar – com o segundo álbum da carreira, Não Para Não, lançado no início do mês.

Continue lendo “‘Estou cagando e andando para o conservadorismo’, diz Pabllo Vittar”

Cinco filmes para refletir sobre a ditadura da beleza e amor-próprio

O maior serviço de streaming do mundo, a Netflix, lançou no mês passado o original Sierra Burgess é Uma Loser. O filme tem dividido opiniões porque, apesar de ter uma protagonista gorda – interpretada pela atriz Shannon Purser – muita gente pensa que o enredo possui falhas sérias e não promove o amor próprio e a confiança.

Em tempos de empoderamento feminino, movimento body positive e luta contra os preconceitos, separamos cinco filmes que têm uma mensagem bacana nesse sentido e que questionam a ditadura da beleza e/ou falam sobre amor-próprio. Prepare a pipoca!

Continue lendo “Cinco filmes para refletir sobre a ditadura da beleza e amor-próprio”

BI(EXISTE): se afirmar bissexual é um ato revolucionário

BI(EXISTE)! Neste 23 de setembro, Dia da Visibilidade Bissexual, declaro abertamente que sou bi. Nunca tive essa “necessidade” pois – na minha cabeça – poderia ficar/estar com quem quisesse e isso só dizia respeito a mim. Mas tenho estudado e lido muito sobre isso e, enquanto militante de causas relacionadas ao corpo e gênero, sempre defendi que a denominação de certas coisas e conceitos servem muito para demarcar espaço como forma de resistência.

Continue lendo “BI(EXISTE): se afirmar bissexual é um ato revolucionário”